Fala gente bonita bom com vocês?

Bem-vindo ao Encontrão do Inglês! Essas aulas vão servir para aquelas pessoas que já sabem um pouquinho do Inglês, já entendem bem, mas, não conseguem falar. Chega na hora de falar elas travam. Imagine você chegando na América, entendendo tudo que os americanos dizem, poder falar com eles e ser entendido, como dizem aqui nos Estados Unidos, isso é priceless. Deixa eu explicar essa palavra. Price significa preço. E quando os americanos querem dizer que alguma coisa não tem aquilo eles colocam essa palavrinha less no final. Então, fica priceless, que quer dizer “não tem preço”. Então, essa sensação de poder falar e ser entendido não tem preço. Porém, existe uma doença seríssima que a maioria dos alunos de inglês tem em algum momento de seu trajeto, em como foi. E essa doença se chama gringofobia, que é o medo de falar Inglês.  90% dos alunos passam por essa fase no aprendizado do inglês. Você não está sozinho! Gringofobia tem cura! Bem-vindo ao encontrão do Inglês! Eu estou muito, muito, mas muito feliz mesmo de você está aqui. Se você não me conhece, eu sou Teacher Dan. Eu sou um professor de inglês, nascido no Brasil e morando fora do país há mais de 17 anos. Hoje moro no Colorado, em uma cidade chamada Colorado Springs. Ranckeada segunda melhor de se viver nos Estados Unidos. Aqui eu faço o meu mestrado em TESOL. O que que é TESOL? “Teaching English to Speakers of other Languages”. You got it? Good. Você pode procurar são poucos os professores de inglês que tem esse mestrado. Ainda mais por uma universidade americana conceituada como a universidade do Colorado. Tenho mais de três milhões de visualizações no Youtube e milhares de comentários positivos de alunos que gostam do meu conteúdo online. Em menos de um ano passei de 0 a 100 mil inscritos no Youtube, o que mostra o quanto os alunos estão gostando das minhas explicações e a maneira que eu ensino Inglês. Voltando a gringofobia, eu quero te dar dez dicas de como parar de sentir os sintomas dessa doença terrível e começar a falar inglês com quem quer seja, então, vamos fazer assim, eu vou começar com a dica número 10 que eu julgo ser a menos importante e vamos até a dica número um, que eu acho que é a que mais vai ajudar vocês. É simplesmente a minha opinião, então, não perde nenhuma das dicas porque talvez pra você seja um pouco diferente.

Está pronto? Vamos lá!

 

Estava ouvindo uma palestra do Érico Rocha, ele citou essa frase: “Na hora eu pensei, meus alunos queridos que tem tanto medo de falar em inglês com a tradição a única maneira de vencer o medo é enfrentá-lo! Vou falar mais uma vez. A única maneira de vencer o medo é enfrentá-lo! Esta frase é simples, mas, poderosa. Quanto mais você falar inglês com gringos, mas você vai sentir confortável. Infelizmente para muitos alunos essa ainda não é a solução. Só para dar um esclarecimento- quando falo termo gringo, não estou usando de maneira pejorativa, ta bom? Só estou querendo falar de pessoas que não falam a língua portuguesa e vêm de outros países.

A dica número 9 eu coloquei: “They don’t really care”. E o Eduardo respondeu a pergunta que eu fiz lá no Instagram. A pergunta era: qual a maior barreira na hora de falar inglês? E ele falou isso aqui, olha que fantástico: “Eu tinha medo de falar errado. Quando tenho dúvidas recorro ao dicionário. Hoje falo com americanos e falo pra eles que estou aprendendo e nos divertimos com os meus erros. Então, percam o medo e se aventurem. Um garoto de 14 anos nos estados unidos me falou que eu não tenho culpa de falar errado porque o não nasci em um país da língua inglesa, e nos divertimos com meu erro”. Esse comentário foi top porque essa tem sido a minha experiência aqui nos Estados Unidos. Os gringos se importam mais no assunto da conversa, em conhecer e entender você do que na sua pronúncia e lentidão do seu inglês.

A dica número 8 é: Most gringos I met LOVE brazilians. Por que estou falando isso?  Na minha experiência de mais de dez anos morando em várias partes dos Estados Unidos eu percebi que a grande maioria dos gringos amam o Brasil e os brasileiros. Eles olham de baixo para cima e não de cima para baixo, e muitos deles amaria morar no Brasil e ter contato com mais brasileiros. Eu sei que você já ouviu várias histórias de preconceito. Eu estou falando da minha experiência, mais de 17 anos morando fora do Brasil e eu não lembro a última vez que eu sofri preconceito.

Dica número 7: Você julga os americanos? Uma das professoras de inglês que gosto muito é a Jackie, ela é uma americana de Chicago que aprendeu a falar português. O português dela é perfeito? Não. Mas, creio que você nunca tenha parado e dito: “Nossa quantos erros”, “que pronúncia ruim”. Não. A gente fica feliz que uma americana se esforçou tanto para aprender falar o português. Os americanos pensam da mesma maneira da gente.

Number 6: They also make mistakes.  Às vezes, na hora de falar, ficamos pensando que fazemos muitos erros de pronúncia ou gramática. Se esse é o seu maior problema, lembre-se de que os gringos também cometem erros na hora de falar em inglês. Ontem mesmo, estava assistindo um filme com a minha esposa e eu percebi pelo menos uns 10 erros de gramática. Se eles cometem erros sinta-se livre para cometê-los também. Inclusive, eu falo pra vários alunos: faça uma meta! Eu vou fazer 10, vou fazer 20, vou fazer 50 erros por dia, porque quanto mais erros você comete mais rápido você vai aprender a falar.

A número 5 parece meio óbvia, certo? Mas você tem que lembrar, muita gente esquece: os gringos são humanos. Parece uma afirmação boba, mas, muitas vezes, olhamos para os gringos como se eles fossem de outro planeta, e na verdade não são, são pessoas como nós. A única diferença é que eles falam outra língua. Lembre-se disso, quando você estiver falando com gringo ele é uma pessoa como você! Eu sei que parece que estou me repetindo é uma das coisas que eu mais escuto o aluno falar: “Professor eu só vou falar inglês a hora que eu puder falar perfeitamente, acertar todas as pronúncias, fazer tudo direitinho. Deixa eu te contar uma verdade, se você está esperando para falar inglês perfeitamente, você nunca vai falar em inglês. É gente bonita.. a coisa tá ficando mais séria. Quando comecei a namorar minha esposa ela falava muito melhor que eu. E pra ser bem sincero eu tinha orgulho e não deixava ela me ver falando. Hoje, eu olho para trás e vejo que isso foi uma bobeira enorme, pois, eu poderia ter usado a oportunidade para praticar inglês com ela. Você sente a necessidade de falar tudo perfeitinho sem cometer erros? Pode ser perfeccionismo ou orgulho e os dois vão te atrasar anos no seu caminho à fluência.    

  

Agora deixa eu dar uma paradinha e contar um pouco da minha história pra você, de como eu perdi o medo de falar inglês. Nasci em Curitiba, no hospital Santa Brígida e durante a minha adolescência me apaixonei pelo inglês, queria porque queria aprender. Depois do colegial comecei a fazer uma faculdade de Ciência da Computação na Universidade Positivo, porém, tive que parar, infelizmente, pois, meus pais não tinham dinheiro para pagar. Foi um dia muito triste na minha vida. Mas, Deus sabe o que faz. Se meus pais não tinham dinheiro para pagar uma faculdade, imagine um curso bom de inglês, que além de caro, ainda é difícil de encontrar. Então, por anos eu estudei assim: Eu escutava músicas, lia livros em inglês e saía traduzindo tudo. Com essa técnica que eu aprendi sozinho, eu aprendi muito, mas muito vocabulário! Pena que eu não sabia o que eu sei hoje. Iria ter aprendido muito mais rápido. Enquanto estudava inglês, eu também estava procurando emprego. E, se você conhece a realidade do Brasil naquela época, você sabe que eu penava para encontrar algo e quando encontrava, não era bom. Até cursinho de inglês na rua já vendi. Mas, um dia eu disse chega! E comprei uma passagem para os Estados Unidos da América. Não sei como, mas, aconteceu! Vim para Boston, Massachusetts, trabalhar com o meu irmão. Fiz de tudo! Trabalhei no Dunkin Donuts, na Harvard. Imagine! Meu pai com o filho na Harvard. Pena que eu era apenas um faxineiro lá. O trabalho mais duro que eu já fiz foi raspar neve de madrugada. Acordava, às vezes, três ou quatro horas da manhã e ia raspar neve. Os dedos dos pés e das mãos congelavam, não importa quantas luvas eu colocava. Que frio do caramba! Nem curitibano gosta, mas, não importa o que eu fazia, tudo aquilo, estava me formando, me fazendo a pessoa que sou hoje. Morar e trabalhar nos Estados Unidos foi uma das coisas mais difíceis que já fiz na minha vida. Lembro do dia mais desesperador, quando depois de pintar faixas em um estacionamento de um Dunkin Donuts- debaixo de um sol de rachar- entrei no banheiro para lavar minhas mãos e meu rosto, quando me olhei no espelho, não me reconheci e chorei. Eu quero a minha mãe!!! Nunca vou esquecer daquele dia. Não apenas o trabalho foi difícil, mas, também, a adaptação da língua. “Uai professor você não disse que sabia muito o vocabulário”? Boa memória! Mas, existe uma ponte gigantesca entre entender o inglês e falar o inglês e foi pensando na dificuldade que eu passei quando cheguei nos Estados Unidos, que decidi que nenhum, nenhum dos meus alunos iria passar pelo que eu passei! Eu chegava suar na hora de falar, e ficava praticando as frases antes de falar na minha cabeça. Na  hora que chegava a hora de falar eu esquecia tudo! Segura essa! Já ouviu falar do Medo duplo do inglês? Não sei se voê já pensou nisso, mas, existem dois medos, não é só o medo de falar. Existe o medo de não entender e o medo de falar e não ser entendido. Se você está começando agora e o seu listening é fraco, a sua escuta do inglês, entendimento do inglês é fraco, a conversa se torna quase impossível. O medo duplo é paralisante, trava mesmo. E qual é a solução? Gaste um tempo bom, talvez aí, uma hora por dia, um ano, focalizando em ouvir e entender o inglês. Dessa maneira, você vai ter que aprender a lidar com um medo apenas e isso facilita muito. Você ouviu corretamente! Se você está começando agora não se preocupe em falar. Focalize no seu listening e vai por mim! Tenho muitos testemunhos de alunos que fizeram isso e nunca se arrependeram. Lembre-se que falar inglês não consiste apenas em falar, mas, sim, em falar e entender. Se você está começando agora, o seu listening ainda é muito fraco. Talvez, você não esteja pronto pra conversar com nativos. Mas, eu tenho uma surpresa pra você! Eu vou deixar um link para você fazer o download do pdf do meu curso gratuito de inglês na descrição. 150 textos, 150 áudios, 150 aulas pra você bombar no seu listening, ok? Ao final do curso, se você gastar uma hora por dia e seguir todas as instruções, creio que você estará assistindo tv em inglês sem legenda e entendendo no mínimo 85% do que é falado e você estará pronto para falar com nativos. E agora, número 1 e mais importante na minha opinião. Decidi montar um método que faz a ponte entre entender o inglês e falar o inglês. Algo que poucos cursos fazem com sucesso, infelizmente, ou demoram mais de anos para atingir essa meta. Essa semana mesmo, conversei com uma aluna que fez um curso em uma escola de inglês no Brasil e ela me disse: “Professor, fiz apenas dez aulas e eles já esperam que eu fale”. É como se você tivesse um professor de natação, que por um mês te fez sentar em uma cadeira. Te ensinou todas as técnicas de natação e depois de um mês, do nada, te pegou e te jogou na piscina. Você não vai sair nadando. A única maneira de aprender a nadar é nadando! A única maneira de aprender a falar inglês- você completa- é falando! Eu vou te ensinar essa nova metodologia que eu criei, mas, por hoje, chega! Já falei demais! O que eu quero que você faça é, pense nessas nove dicas que você já ouviu e pense qual delas está te dando problema. Antes de terminar, queria te pedir um favorzão, queria te pedir que você fosse aqui nos comentários e falasse algumas coisas pra mim. Fale pra mim como foi essa sala de hoje, se você gostou ou não? Surgiu mais alguma dúvida? Coloca nos comentários. Eu vou responder todos os comentários! Outra coisa, se você está gostando ou não desse encontrão do inglês. E pra você que já me conhece faz algum tempo tanto do Youtube, ou do Instagram ou do Facebook, eu queria te pedir um favorzão, fala pro pessoal o que você tem achado dos meus vídeos eu ficaria muito, mas, muito grato mesmo! Hoje ficamos por aqui. Porém, na próxima aula, eu vou te ensinar essa metodologia nova que eu criei. E essa metodologia é uma mistureba da metodologia comprehensible input, que você já deve conhecer, que é que eu baseio pra fazer o meu curso de listening e uma coisa nova que eu criei. Vejo vocês na próxima aula! E, por favor, traga um amigo ou uma amiga para o encontrão, principalmente se ele tem gringofobia, tá bom? Eu deixo com vocês, Aquele abraço!